domingo, 5 de outubro de 2008

Tudo o que tenho é meu jeito de andar

Tenho uma perna um pouco menor que a outra, o que me confere um andar engraçado. Segundo uma massagista amiga da família, que quebrava o galho de todos puxando nervos com seus polegares mágicos, todo mundo tem uma perna menor que a outra. Essas generalizações me causam calafrios. Freud mandava a galera relaxar que todo mundo era, no fundo no fundo, menino e menina. Pra mim isso é o tipo de generalização de nêgo que quer tirar o seu da reta e justificar uma provável escorregada no quiabo. Mas essa estatística de perna menor que a outra não pode ser real. Se for, na boa, Deus, o corpo humano é uma máquina do caralho, tudo bem, a mais perfeita das invenções... mas errar no tamanho da perna? E de todo mundo?

Geral ou não, o andar é sim algo peculiar. Lembro de um clipe que assistia na MTV quando era bem moleque e me identificava um bocado. Era o Phill Collins, ainda no Genesis, com a música I can´t dance, em que ele diz que a única coisa que tem é o jeito de andar. Se meus passos me levarem sempre aonde quero ir, pra mim já ta valendo, por mais que eu não saiba dançar.

Na hora da dança me fodo. O tal dos dois pra lá, dois pra cá e o molejo no quadril me afastam de um aprouch mais honesto com qualquer maguinha. Aí é onde concordo com o tal do “samba pra branco” que meu amigo Ismael Machado aponta. Não sabe dançar, segue o swing. E quando o balanço contagia, meu velho, aí é geral.




Adoro isso:



2 comentários:

Luize disse...

Nossa. Phill Collins ainda tinha um resto de cabelo.
Mas guri, te contar viu.. lendo seus posts fico cada vez mais curiosa em te conhecer... hUAIShsuaihsuiahuisa..
;P

Bjo paraense xP

ohvarios disse...

o avaliador da academia que eu malhava me disse também que eu tinha uma perna maior que a outra, fiquei preocupada. Mas já que dizes que é normal, então ficarei aliviada.=]